ID-MENINAS-FM3

Levante a mão aquele que nunca se preocupou com o que as meninas fazem e veem na internet. Sabendo das possibilidades e dos riscos das redes, nos preocupamos em proteger nossas meninas também nessa esfera, cujo uso é natural para uma geração que já nasceu imersa no digital.

A preocupação procede, porque não são mesmos poucos os casos de violações das mais diversas ordens que acontecem online. Mas é necessário pensar em como o assunto está sendo abordado com crianças e adolescentes, porque a busca por segurança não pode impedir o desenvolvimento dos jovens e nem criar uma relação de desconfiança com os adultos.

Nesse processo, as meninas sofrem mais do que os meninos na internet. Se você pensou que é porque elas têm cobranças em relação ao corpo e à imagem, sendo atingidas desde cedo por conta de um padrão estético, sem contar o cuidado a ser tomado com relação ao abuso sexual e à pedofilia, você acertou. Mas há um outro elemento na jogada: o cuidado excessivo dos pais. Sim, o ímpeto de proteção às meninas pode acabar prejudicando o desenvolvimento de suas potencialidades e reforçar estereótipos de gênero.

A pesquisa TIC Kids Online Brasil de 2016 entrevistou jovens de 9 a 17 anos do Brasil inteiro e apontou que os pais monitoram mais elas do que eles na internet. Ao mesmo tempo, os meninos têm mais liberdade para aprender coisas sozinhos. Confira os dados da pesquisa:

Os pais sentam junto enquanto usa a Internet, falando ou participando do que está fazendo

Meninas: 54% | Meninos: 48%

Os pais ficam por perto enquanto você usa a internet, mas sem olhar o que está fazendo

Meninas: 66%  | Meninos: 61%

Os pais incentivam a aprender coisas na internet sozinho(a)

Meninas: 47%  |  Meninos: 54%

Os pais sentam junto enquanto usa a Internet, mas sem participar do que está fazendo

Meninas: 66% | Meninos: 57%

Os pais olham o celular para ver o que está fazendo ou com quem está falando

Meninas: 59%  | Meninos: 50%

Os pais explicam que alguns sites são bons e outros são ruins

Meninas: 84%  | Meninos:  78%

Os pais ensinam jeitos de usar a Internet com segurança

Meninas: 78%  | Meninos:  74%

Os pais ensinam como se comportar na Internet com outras pessoas

Meninas: 85%  | Meninos: 76%

Os pais explicam o que fazer se alguma coisa na Internet o(a) incomodar ou chatear

Meninas: 77%  | Meninos:  67%

Os pais conversam sobre o que faz na Internet

Meninas: 75%  |  Meninos: 66%

Isso não quer dizer que não se deve conversar com as meninas, apenas que é necessário estar atento para não impedir que elas alcem voos. O diálogo é fundamental para qualificar o uso das garotas nas redes e permite que você realmente entenda quais as preocupações e os problemas do universo delas. “Os pais em geral têm um imaginário muito forte sobre o risco de pedófilos na rede e focam sua atenção nesse tipo de proteção, mas o que as crianças mais reclamam é a violência praticada por um conhecido: o cyberbullying, a discriminação”, conta Juliana Cunha, psicóloga e coordenadora do Canal de ajuda da SaferNet, organização que atua promovendo os direitos humanos na internet. Segundo ela, não é que esse perigo “clássico” não exista, mas os jovens são mais alertados para isso, estando cientes da situação. “Mas não sabem o que fazer quando um amigo é autor de violência”, completa ela.

 

-> CONFIRA NOSSO ESPECIAL SOBRE REDES SOCIAIS E SAÚDE MENTAL.

 

Nesse contexto, não apenas os pais, mas todos os outros atores devem se envolver no combate ao problema. Se o agressor é um colega de escola, por exemplo, a instituição deve intervir e ser mediadora do diálogo, assim como o faria se o caso acontecesse fora das redes. “Geralmente o cyberbullying  é acompanhado do bullying. Um é extensão do outro”, explica Juliana. Algumas propostas são a realização de Conselhos para discutir violência online ou fomentar rodas de conversa que permitam que esses assuntos venham à tona.

Não dá para viver numa redoma digital

Resolver o conflito é muito importante, mas mais ainda é impedir que a violência contra as meninas chegue a acontecer. E isso só acontece com o diálogo. A psicóloga lembra que os pais são os primeiros agentes de socialização das crianças, sendo os responsáveis por ensinar o que é certo e errado – regras que são iguais dentro e fora da internet. E isso é algo que nenhum conhecimento técnico substitui.

“Embora os mais jovens tenham mais habilidades técnicas e velocidade de adaptação às tecnologias, eles ainda não têm desenvolvido o senso crítico que é tão necessário. Aos pais cabe mostrar como interpretar o ambiente em que estão (no caso, o digital), identificar quando uma pessoa desconhecida faz contato e como responder. Isso é mais importante do que a habilidade técnica e do que tentar fazer com que os filhos estejam afastados dos riscos, porque é muito difícil colocá-los numa redoma”, resume Juliana Cunha. “Mesmo se há dificuldade de usar tecnologia, uma conversa pode ser suficiente para que a criança desenvolva consciência crítica. Assim, não é porque ela está exposta ao risco que vai sofrer algum dano”.

É claro que idades diferentes exigem cuidados diferentes. Quanto mais nova a menina, maior o controle parental, enquanto espera-se que as adolescentes tenham mais autonomia. Mas a psicóloga Juliana Cunha garante que em qualquer um dos casos, a negociação e o consentimento são muito importantes. Isto é, todos têm de estar de acordo com os limites estabelecidos ao invés de simplesmente impor regras.

“Se a família deseja ter a senha da adolescente para acessar uma rede social, é preciso deixar claro o porquê e se ela concorda. A negociação deve ser mais de igual para igual. Já com as pequenas, embora não sejam autônomas, o acordo também tem de ficar claro: se é para ter rede social, eu vou ter a senha porque sou responsável por você”, explica Juliana. A negociação referente à vida digital nada mais é do que um braço da relação de confiança estabelecida entre vocês.

Informe-se

Cuidados com o sigilo de dados e informações e informações e outras dicas de privacidade podem ser encontrados na Cartilha de Segurança da Internet, que tem manuais específicos para usos de aplicativos, golpes, senhas e demais assuntos. O site disponibiliza também cartilhas de uso seguro da internet para os pais, separados entre crianças e adolescentes (acesse aqui).

A Safernet  tem parceria com o Ministério Público Federal e aceita denúncias de qualquer tipo de violência e ataque aos direitos humanos no meio digital, como discriminação, racismo, injúria racial e envio não consentido de material íntimo. Há ainda dois canais específicos para os adolescentes na internet:

  • Se sua menina está sendo vítima ou propagando qualquer violência na internet, o Canal de Ajuda oferece suporte gratuito a ela e à família.
  • O SaferLab tem um guia com dicas propositivas de como construir uma internet mais segura e tolerante, sem espaço para a violência ou discriminação.

Deixe um comentário