Por Luiza Pereira 

[Contém leves epoilers do filme “Uma dobra no tempo”]

Resenha: Uma Dobra no Tempo e o poder das garotas

O filme “Uma dobra no tempo” foi dirigido por Ava DuVernay e teve sua estreia nos cinemas no ano de 2018. A narrativa conta com figuronas dos Estados Unidos como a apresentadora Oprah Winfrey como a “Senhora Which” e a atriz Reese Witherspoon como a “Senhora QueÉ”.

O longa narra a história dos irmãos Meg (uma menina negra) e Charles Wallace (oriental, mestiço e adotado ainda bebê). As crianças são filhos de um casal de cientistas que tenta entender os segredos do universo. Porém, o pai some um dia e não aparece mais. Passam-se quatro anos do desaparecimento do cientista da NASA Dr. Alex Murry, quando os irmãos Meg e Charles Wallace, junto a seu amigo Calvin, recebem a visita sobrenatural das Senhoras Which, Como e QueÉ.

As três mulheres levam as crianças em uma jornada científica, divertida e de autoconhecimento através do universo para buscarem o cientista desaparecido. As crianças passam por diversas provações e testes até chegarem ao local onde, teoricamente, Murry se encontra.

Durante toda a trajetória, a personagem Meg mostra-se insatisfeita consigo mesma. Em um dos momentos mais emblemáticos, por exemplo, quando seu amigo Calvin elogia o seu cabelo, que é crespo e volumoso, a garota manda-o parar.

Além disso, em uma passagem, a personagem de Oprah diz para Meg que percebe que a garota não gostaria de voltar para a Terra como ela própria e a menina imediatamente pergunta se isso seria possível. Ao longo da narrativa, Meg percebe o quanto ela é especial e como pode ser exatamente do jeito que ela é. Senhora Which faz Meg entender que para cada um de nós existir são necessárias milhares de combinações do Universo.

A diretora Ava Duvernay e a atriz Storm Reid, que interpreta Meg, a protagonista.

A diretora Ava Duvernay e a atriz Storm Reid, que interpreta Meg, a protagonista.

Para ajudar as crianças na busca, cada senhora entrega um presente para Meg: a Senhora QueÉ entrega para Meg “seus defeitos”. A princípio ela não entende, mas no fim da história são eles que fazem com que Meg alcance seu objetivo. Sua teimosia, falta de confiança nas pessoas e outros defeitos são essenciais.

Há também um momento em que “Aquilo” – coisa que toca o coração das pessoas e transforma seus sentimentos em raiva, ódio, tristeza e outras escuridões e que está infectando todo o universo – oferece para Meg uma versão “melhorada” de si mesma. Uma menina de cabelo liso, sem óculos e com um corpo “perfeito”. Meg não aceita e escolhe continuar sendo ela própria.

Vale lembrar também o quão importante é o fato de quatro mulheres não brancas terem destaque na história. A mãe de Meg, Dra. Murry, é uma cientista renomada que busca entender os átomos e as partículas e desenvolve um grande projeto junto com o marido, de quem era orientadora antes de casarem. Meg, a personagem principal, uma menina super inteligente, com capacidades acadêmicas incríveis, também é negra. A Senhora Which, personagem de Oprah, guia as crianças por praticamente todo o longa e também é negra.

Já a Senhora Quem, uma mulher que alcançou um estágio de “inteligência” tão avançado que não fala por palavras próprias e só utiliza citações de outras pessoas, é oriental.

Por último, é muito bonito como o filme cita, já no final, algumas das mulheres mais importantes da história da humanidade. Estão entre elas Marie Curie, cientista que descobriu dois elementos químicos (o Rádio e o Polônio) e a primeira mulher a ganhar um prêmio Nobel; Frida Kahlo, pintora mexicana feminista que sofreu um acidente de ônibus e continuou pintando; e a poetisa e escritora negra norte-americana Maya Angelou.

Uma dobra no tempo passa, de uma forma leve e emocional, uma mensagem de empoderamento para as meninas, para negros e negras e para todos aqueles considerados outsiders. Falando aqui para o Força Meninas, vale muito a pena assistir à obra principalmente porque ela mostra para as garotas que elas são inteligentes e capazes de conquistar aquilo em que acreditarem e podem tudo que quiserem.

Deixe um comentário